Anexo a- guiões de entrevista Guião de Entrevista para Alunos efta


Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados



Baixar 310,99 Kb.
Página17/35
Encontro11.10.2018
Tamanho310,99 Kb.
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   35
Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados

1. Quais são para si as competências mais importantes a adquirir num projeto deste tipo? A nível pessoal (motivação, autoestima, pró-atividade…), interpessoal, social e profissional.

Para mim uma das competências mais importantes a desenvolver neste tipo de projetos é: ter a coragem de falar, comunicar, desenvolver a capacidade de definir objetivos e estratégias para não chegar a meio e deixar cair por terra os projetos, mesmo que pareça impossível. Considero que tem um impacto significativo na minha vida ao nível pessoal porque consigo interagir com diversos tipos de pessoas com maneiras de ser e personalidades distintas. Também ao nível profissional porque considero que serei uma melhor profissional nesta área se souber expor as minhas ideias, se souber como me dirigir às pessoas.

2. Quais são as competências que considera que já possuía antes deste projeto e quais aquelas que espera vir a desenvolver ao longo deste projeto?

Fazendo um balanço, antes de entrar no clube de alunos, eu já tinha aquele espírito de ajudar os outros, também ando nos escuteiros e isso ajuda-me bastante. Depois que entrei esperava tornar-me uma pessoa mais aberta e conseguir compreender as situações que ocorrerem, conseguir perder um pouco a timidez, a vergonha de me dirigir a alguém para falar, perguntar fazer aquilo que é necessário e creio que consegui alcançar estes objetivos. Consigo falar mais sem ser preciso que me peçam e creio que o espirito de entreajuda se manteve e acho que ainda cresceu mais.

3. Até que ponto este projeto se adequa às suas expectativas e necessidades de aprendizagem?

Bastante. Ao nível profissional e social sem dúvida que este projeto se adequa às minhas necessidades de aprendizagem. Daqui a um ano, quando terminar o curso e consequentemente terminar o meu percurso no clube de alunos espero estar a trabalhar e dentro daquilo que são os processos inerentes às tarefas desenvolvidas em contexto profissional espero chegar à conclusão de que estas aprendizagens recebidas ao longo desta participação no clube d alunos, afinal é bem mais útil do que aquilo que se esperava.

Para mim talvez a capacidade de comunicar com as diversas instâncias superiores e saber como faze-lo é aquilo que eu identifico como a maior competência que estou a adquirir no clube de alunos para o futuro profissional.

Percebe alguma lacuna neste projeto que ultrapassada permitisse o projeto funcionar melhor?

Como é um grupo que faz muito bem à escola parece-me que devia haver mais alunos envolvidos, pois o número de pessoas envolvidas no clube de alunos é muito pequeno. Poucas são as pessoas que se comprometem com a causa do clube de alunos.

No início até são bastantes elementos que participam mas chega a meio do ano e muita gente desiste.

Em termos de horário de reuniões tentamos sempre articular com os horários das turmas, e as disponibilidades para conseguirmos ter todos ao mesmo tempo. Penso que o tempo dedicado para as reuniões está bom. Uma boa maneira de cativar mais alunos a participar ativamente integrando o clube de alunos era a escola ajustar os horários para que as reuniões não fossem no fim do dia quando os colegas têm transportes para apanhar e estão mais cansados. Dessa forma os alunos não dispersavam nem estavam nas reuniões com a pressa de ir para os transportes de regresso a casa. Se por exemplo numa houvesse uma hora e meia no fim do almoço, os alunos estavam na escola e sabendo que tinham aulas a seguir não estariam tão preocupados em sair mais cedo. No fundo era a escola a prever um horário em que os colegas de forma facultativa pudessem estar dedicados às atividades desenvolvidas no clube de alunos. Acho que as reuniões iriam deixar de se resumir a discutir as ideias à pressa, para se tornar um momento em que depois de se tomarem as decisões, fosse possível ainda fazer algumas tarefas em tempo útil e em grupo. Muitos assuntos passariam a ser diretamente tratados naquele horário, em vez de se levar as tarefas para fora desse horário, porque isso dispersa e às vezes chegamos à reunião seguinte sem os resultados pretendidos. Acho verdadeiramente que seria uma mais-valia. Mas para isso era preciso que a própria escola estivesse interessada em criar esse tempo “entre aulas”.

5. Seria possível melhorar este alguns aspetos em futuros projetos? em termos de duração, estrutura, metodologias …

Eu peso que fora a questão do timing em que as reuniões são desenvolvidas, o resto está bem, mesmo em termos de espaço julgo ser o adequado.

Penso que seria sempre possível fazer melhorias no projeto em outros anos e em outras iniciativas. Sobretudo pode melhorar mais em termo de empenho porque há algumas ideias que nós tínhamos e temos podiam ser realizadas, e não foram por falta de empenho.

Penso que também poderia melhorar mais ao nível da orientação de um adulto responsável como um professor, que quando fosse tomada uma decisão, estivesse sempre em cima do acontecimento e não permitisse que as coisas dispersassem. Que “forçasse um pouco” que disciplinasse mais o grupo nos timings da realização das tarefas. Se tivéssemos alguém que nos puxasse mais, que nos cativasse mais, que fosse mais firme, e exigente, na realização dos projetos, alguém que nos responsabilizasse mais acho que seriamos mais eficientes no cumprimento dos objetivos e dos prazos. Se houvesse esse forcing por parte de um adulto se calhar os colegas levavam mais asserio as coisas que o grupo tem que fazer.

6. Mediante as aprendizagens adquiridas ao longo do projeto encararia a possibilidade de vir a criar outros projetos sociais ou profissionais depois de terminar a sua formação profissional? Porquê?

Sim sem dúvida que encaro essa possibilidade. Se eu conseguisse gostaria de estar à frente de um projeto de cariz social. Eu gosto dessa área do trabalho desenvolvido em prol da melhoria das condições das pessoas da comunidade que vivem em condições mais difíceis.

A nível profissional considero que as aprendizagens e as dinâmicas desenvolvidas no clube de alunos me levam a ter interesse por vir a ter uma atitude mais pró-ativa nas tarefas que vou desempenhar na minha vida profissional por conta de outrem e não ponho de parte a possibilidade de vir a criar o meu próprio negócio se tiver as condições necessárias. Para isso também tenho algum tempo pela frente para ter ideias e amadurecer aquela que achar que vale a pena. Mas se tomar essa decisão irei trabalhar para alcançar esse objetivo. Estas aprendizagens que tenho desenvolvido neste grupo têm-me dado coragem para encarar essa possibilidade.

7. Que tipos de dificuldades poderão surgir na criação de outros projetos sociais ou profissionais depois de terminar a sua formação profissional? Quais as estratégias que utilizaria para superar/ minimizar estas dificuldades?

Primeiramente a autorização para um negócio ou um projeto era algo que considero poder vir a ser uma dificuldade. A questão da competitividade. Teria que recorrer a algumas estratégias para superar estas dificuldades. Tentaria estudar ao máximo o que este tipo de atividades que estas empresas fazem de forma a poder fazer algo inovador que me distinguisse e me tornasse competitiva. Mas reconheço que teria que pensar um projeto que não fosse tão explorado. Só iria apostar em algo que percebesse ser necessário. Primeiramente iria estar atenta às necessidades da população a quem me iria dirigir. Nunca iria fazer algo que não considerasse uma necessidade.

Mas por agra não consigo imaginar as dificuldades possíveis de surgir. Só tendo o projeto eu poderia ver as dificuldades.

8. Gostaria de acrescentar mais alguma informação relevante para este estudo?

A capacidade de falar e a iniciativa para desenvolver ações para ajudar a melhorar as coisas.

9. Dados caracterização do entrevistado

(Nome e idade não relevados por questão de confidencialidade)

Nacionalidade: Portuguesa

Habilitações Literárias: 9º Ano (a frequentar o 11º ano

Curso a frequentar Técnico de Turismo

Duração do curso: 3 anos

Muito obrigado pela sua colaboração!




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   35


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal