Alterações Hormonais no Estresse



Baixar 41,98 Kb.
Página1/11
Encontro22.11.2019
Tamanho41,98 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Alterações Hormonais no Estresse

Na reação simpática da Fase de Alarme do Estresse é onde ocorre maior secreção de hormônios anti-inflamatórios, como por exemplo, um dos corticosteroides, a desoxicorticosterona, conhecida DOC.

Este corticóide produz um aumento da freqüência cardíaca e da pressão arterial , bem como um aumento da freqüência respiratória e dilatação dos brônquios. Tudo isso permitirá maior circulação de sangue, maior oxigenação dos tecidos. 

Também se verifica, contração do baço, com propósito de enviar mais glóbulos vermelhos ao sangue circulante; há maior liberação de glicose pelo fígado na corrente sangüínea, para fornecer mais energia aos músculos e ao cérebro; maior dilatação pupilar, aumentando o campo de visão; aumento de linfócitos no sangue, para reparar possíveis danos físicos e defender contra eventuais agentes agressores. 

Porém, nas situações de ação exagerada do Sistema Simpático haverá não mais uma melhora da performance, mas uma queda em todas funções orgânicas, desde a perda da resistência imunológica, tornando-se mais vulnerável às doenças, perda de tecidos estruturais, até crises hipertensivas ou hipotensoras, diabetes, lesões de pele, cardíacas, etc. 

De modo geral, podemos dizer que, num primeiro momento, as suprarrenais aumentam a secreção de Noradrenalina, objetivando preparar o organismo para a ação, em seguida passa a liberar a adrenalina e, por fim o cortisol. E nessa fase do cortisol que já podemos antever uma possível exaustão geral.

Na reação simpática da Fase de Alarme do Estresse é onde ocorre maior secreção de hormônios anti-inflamatórios, como por exemplo, um dos corticosteroides, a desoxicorticosterona, conhecida DOC.

Este corticóide produz um aumento da freqüência cardíaca e da pressão arterial , bem como um aumento da freqüência respiratória e dilatação dos brônquios. Tudo isso permitirá maior circulação de sangue, maior oxigenação dos tecidos. 

Também se verifica, contração do baço, com propósito de enviar mais glóbulos vermelhos ao sangue circulante; há maior liberação de glicose pelo fígado na corrente sangüínea, para fornecer mais energia aos músculos e ao cérebro; maior dilatação pupilar, aumentando o campo de visão; aumento de linfócitos no sangue, para reparar possíveis danos físicos e defender contra eventuais agentes agressores. 

Porém, nas situações de ação exagerada do Sistema Simpático haverá não mais uma melhora da performance, mas uma queda em todas funções orgânicas, desde a perda da resistência imunológica, tornando-se mais vulnerável às doenças, perda de tecidos estruturais, até crises hipertensivas ou hipotensoras, diabetes, lesões de pele, cardíacas, etc. 

De modo geral, podemos dizer que, num primeiro momento, as suprarrenais aumentam a secreção de Noradrenalina, objetivando preparar o organismo para a ação, em seguida passa a liberar a adrenalina e, por fim o cortisol. E nessa fase do cortisol que já podemos antever uma possível exaustão geral.


 Alterações no Estresse

Para ter uma noção geral das alterações orgânicas do Estresse, devemos ter em mente que tudo se faz objetivando aumentar a performance do organismo; mais sangue sirculando na periferia, para nutrir os músculos; pupilas dilatadas, para ver melhor, brônquis dilatados para oxigenar melhor o sangue; aumento da freqüência cardíaca, dos níveis de glicose no sangue, etc.


Enfim tudo se faz no sentido de tornar a pessoa apta para uma mudança de atitude.
Com o tempo, não havendo interrupção do estresse, todo o organismo pode entrar em falência

 O primeiro é o cérebro 

O Hipotálamo é uma área cerebral nobre e intimamente relacionada ao Estresse. Ele ativa todo o Sistema Nervoso Autônomo, em sua porção Simpática, para gerar respostas físicas, mentais e psicológicas ao Estresse.
O Sistema Endócrino é mobilizado a partir da Hipófise (também chamada de Pituitária), que também está no Hipotálamo, comandando várias glândulas por meio de hormônios. 





Índice de Alterações Hormonais

Introdução Insufic. Suprarrenal   Ateração da Tireóide  Alterações do Ovário  Cólicas Menstruais  Galactorréia  Pâncreas e Diabetes 






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal