Altas habilidades : revendo concepçÕes e conceitos



Baixar 24,47 Kb.
Página1/8
Encontro29.11.2019
Tamanho24,47 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8



ALTAS HABILIDADES : REVENDO CONCEPÇÕES E CONCEITOS

Dóra Cortat Simonetti *

ABAHSD - Associação Brasileira para Altas Habilidades/Superdotados

Resumo :

Apesar de documentos legais que reconhecem alunos com capacidade acima da média na população escolar o que, muitas vezes, chega à prática dos profissionais da educação são conceitos desligados de concepções, relativamente vagos, pesados de mitos que as produções científicas estão derrubando. Ressignificar as concepções e conceitos sobre altas habilidades / superdotação é de suma importância sobretudo quando se admite que qualquer prática educativa deve sempre partir de um referencial teórico. Superdotação é um conceito que serve para expressar alto nível de inteligência e indica desenvolvimento acelerado das funções cerebrais. Desde a década de 80 surgem novas teorias sobre inteligência que vêm ampliando nossa visão sobre altas habilidades; a partir da década de 90, as pesquisas cognitivas foram enriquecidas com o desenvolvimento das ciências neurais. A Teoria da Desintegração Positiva de Dabrowski , o modelo Diferenciado de Superdotação e Talento de Gagné , o Círculo dos Três Anéis de Renzulli , o modelo das Inteligências Múltiplas de Gardner e o modelo WICS de Sternberg são estudos que se destacam. São modelos diferentes que não se excluem,mas se completam. Algumas alternativas para inclusão escolar destes alunos são: Atividades extracurriculares organizadas na própria escola, Sala de Recursos, Modelo de Enriquecimento Escolar (SEM) de Renzulli e Centro para Desenvolvimento do Potencial e Talento (CEDET) idealizado pela psicóloga Zenita Guenther.



Introdução

Lutar por uma escola inclusiva que busque ter um projeto pedagógico que responda às necessidades específicas de cada aluno e grupo de alunos traz nova esperança; sem dúvida, o convívio ampliado entre os pares é uma das mais fertéis vertentes educativas.

Quando se fala em altas habilidades/superdotação diversas são as abordagens sobre o tema. Enquanto a neurobiologia valoriza os mecanismos cerebrais, a psicopedagogia social busca fatores psicológicos, educacionais e sociológicos que possam determiná-las e a genética ressalta o papel dos gens. As dificuldades na escolha de um conceito de superdotação não residem apenas nas diferentes concepções sobre o conceito em sí mesmo mas, no que pode ser incluído no seu âmbito.

Gallagher (1979) chama a atenção para o fato de que o conceito de superdotação está ligado a cultura. Para muitos professores os alunos superdotados fazem o melhor trabalho na sala de aula, participam avidamente das atividades de classe e completam as tarefas com presteza. Outros reconhecem alto nível em estudantes que demonstram profundidade de pensamento e sensibilidade por suas observações e pelo tipo de perguntas que fazem. Poucos percebem o fomentador de discórdias e o não conformista como possível aluno superdotado.

A literatura especializada aborda com frequência superdotação e talento como termos com dois pontos em comum: se referem a habilidades e estão acima da média da população. Para o senso comum, a habilidade intelectual é superdotação e a habilidade artística é talento.

Para Clark (1998), a superdotação é um conceito de fundo biológico que serve como rótulo para alto nível de inteligência e indica desenvolvimento acelerado das funções do cérebro, o qual pode ser expresso através de habilidades de alto nível. O avanço das neurociências nas investigações sobre inteligência mudou as formulações anteriores.

Embora estas questões de terminologias ainda aflorem, a atenção tem se concentrado em proporcionar a cada um dos alunos com capacidade acima da média, oportunidades para seu desenvolvimento. A fundamentação teórica é importante e os exemplos que se seguem não são excludentes, se complementam.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal