Além disso, investigamos o Colégio Pedro II considerando suas características sui generis, como por exemplo o regime das cátedras, responsável pela aproximação dessa instituição com o ensino superior



Baixar 44,98 Kb.
Página8/10
Encontro11.10.2018
Tamanho44,98 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10
Beatriz Boclin: O livro de História era do próprio Jonathas Serrano?
Prof. Aloysio: Sim. Ele trabalhava com o livro e o Caderno de Cartografia. Sempre tinha o Caderno de Cartografia. É possível verificar o espírito historiográfico que ele dava no sentido didático para as primeiras séries, é utilizando uma linguagem mais comum, ou seja, atrair o aluno para a História utilizando todos os meios e envolvendo-o de tal maneira que o aluno achava que a História era a coisa mais interessante do mundo.
Nessas entrevistas confirmamos o papel relevante dos catedráticos na configuração do ensino de História. Eles efetivamente eram os responsáveis pela visão historiográfica e pelas características didáticas do ensino da História naquele momento; demonstravam, também, a preocupação com a formação integral do aluno não apenas no conteúdo da matéria, mas nos aspectos morais, afetivos e sociais.

Os catedráticos João Ribeiro e Jonathas Serrano exerceram enorme influência no ensino de História durante as primeiras décadas do século XX, sendo responsáveis por iniciativas no sentido de definir alternativas para a didatização do ensino de História. Pela primeira vez observa-se a preocupação com a aprendizagem do aluno, pois identifica-se nos livros didáticos da época a preocupação com o método de aprendizagem, como o recurso aos quadros sinóticos (destacando os aspectos mais significativos do texto), à cronologia, aos mapas e ilustrações (organizando os fatos históricos no tempo e no espaço), ao fechamento dos capítulos. A bibliografia e o incentivo à pesquisa são elementos inseridos no ensino de história no período. No livro didático os fatos históricos são sempre apresentados no tempo (a data), no espaço (o lugar onde ocorreu), quem fez ou esteve envolvido, e por quê12 – ou seja, a causa (causalidade) de modo a fugir da memorização sem a devida reflexão e análise. O quadro sinótico destaca os assuntos mais significativos do texto e estabelece os comandos (quem, quando, o quê, onde e por quê).

Concluímos que os professores João Ribeiro e Jonathas Serrano, inseriram a perspectiva de ensino que colocava pela primeira vez o aluno como centro da aprendizagem.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal