A vida de Pedro nos mostra o processo de conversão. – Pr. Abram de Graaf



Baixar 26,16 Kb.
Página1/3
Encontro01.12.2019
Tamanho26,16 Kb.
  1   2   3


- A vida de Pedro nos mostra o processo de conversão. –
Pr. Abram de Graaf



Liturgia

H.61


H.50

H.66


H.81

H.98


S.51

H.83


H.76
T. Vários textos

L. Domingo 33 CdH

Queridos irmãos em Cristo Jesus,
[Hoje ouvimos a notícia de que um dos nossos membros teve que entrar em processo de disciplina porque vive em pecado contra o quarto mandamento. Isso quer dizer: ele despreza a Palavra de Deus, a pregação e os santos sacramentos.]1

Uma pessoa pode ser perguntar: como é possível? Como é possível que uma pessoa que se converteu e fez a sua profissão de fé, vivia na igreja, visitava os cultos, mas não quer ter um compromisso com Cristo? Como é possível?

Tal pessoa foi realmente convertida? Ou devemos a considerar de acordo com I João 2, 19: eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco. Esse texto de João nos ensina que existe joio no meio do trigo. Nem todos os membros da igreja são membros de Cristo. Existem hipócritas; existem pessoas que se converteram com muito entusiasmo, mas depois de algum tempo alguma coisa acontece e elas ficam decepcionadas e deixam de ir à igreja. Elas tinham fé, mas não era uma verdadeira fé; mas existem também verdadeiros membros de Cristo que caíram em pecado e, por um tempo, estiveram afastados de Cristo e da sua igreja.

Hoje vamos falar sobre tal pessoa. Um homem que era um verdadeiro crente, que amava profundamente a Jesus Cristo, mas que caiu em pecado e se afastou de Cristo. Esse homem é o nosso irmão Pedro.


A vida de Pedro nos mostra o processo de conversão.


  1. A psicologia do pecador.

Pedro era um membro de Israel, do povo de Deus. Ele vivia em Cafarnaum, visitava a Sinangoga lá; era um homem casado e trabalhava como pescador. Num certo dia Jesus o chamou para segui-lo como seu discípulo, e Pedro fez isso durante três anos. Ele seguia Jesus e começou a conhecê-lo. Ele respeitava Jesus e podemos dizer também que ele amava a Jesus. Mas, num certo momento, no fim de seu treinamento, Pedro fez algo que é difícil de se acreditar: ele traiu o mestre Jesus e o negou três vezes!! Ele não queria conhecer Jesus, e jurou que não o conhecia! Ele fez isso três vezes, então não foi um momento de irreflexão!

Na primeira vez, ele deu uma resposta a uma criada, que lhe disse: Também tu estavas com Jesus, o galileu. Pedro, porém, o negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes. E saindo para o alpendre, foi ele visto por outra criada, a qual disse aos que ali estavam: este também estava com Jesus, o nazareno! Mas Pedro negou outra vez, com juramento: não conheço tal homem! Logo depois, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: verdadeiramente, és tu também um deles, porque o teu modo de falar o denuncia. Então, começou Pedro a praguejar e a jurar: não conheço esse homem!

Pedro disse isso três vezes. Ele fez isso conscientemente. Conscientemente mesmo! E a situação era ainda mais grave, porque ele foi avisado de antemão que isso ia acontecer. Pouco tempo antes disso Jesus lhe tinha dito (Mt. 26: 31-35): Esta noite todos vós vos escandalizareis comigo. Pedro, quando ouviu isso, reagiu logo e disse: Ainda que venhas a ser um tropeço para todos, NUNCA o serás para mim! Jesus, ouvindo isso, disse a Pedro: em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, tu me negarás três vezes!! Mas Pedro lhe disse: Quem?! Eu? Nunca! Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo nenhum te negarei.

Como é possível que um homem como Pedro, que se declarou claramente em favor de Jesus, negou o mestre? Será que Pedro estava mentindo quando disse que não faria isso? Não, irmão, não acredito que Pedro estava mentindo. Acredito que Pedro realmente amava o Senhor Jesus. Não foi uma mentira. Ele respeitava Jesus e tinha grandes expectativas. Pedro reconheceu Jesus como seu salvador. Ele reconheceu Jesus como o Filho de Deus. Ele esperava uma vitória de Jesus, e não uma derrota.

Jesus preparou os seus discípulos para a derrota. Três vezes ele já tinha falado sobre o que aconteceria em Jerusálem. Ele anunciou o seu aprisionamento e a sua morte. Ele disse isso várias vezes, mas os discípulos não entenderam essa mensagem. Especialmente Pedro não entendia. Quando Jesus falou pela primeira vez sobre o seu sofrimento e a sua morte em Jerusálem, Pedro logo reagiu, reprovou Jesus, e disse (Mt. 16:22): Tem compaixão de ti, Senhor. Isso de modo algum te acontecerá! Naquele momento Jesus já disse a Pedro: Arreda, Satanás, Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens!

O que Jesus lhe respondeu é interessante de se analisar: quem não cogita das coisas de Deus não entenderá Jesus e não entenderá a mensagem da cruz. Quem não cogita das coisas de Deus se escandalizará com Jesus. Pedro teve esse momento em Mt. 16 e recebeu uma resposta “na lata” de Jesus. Mas parece que ele não entendeu as coisas de Deus. Ele ainda se escandalizaria com Jesus, apesar de tudo isso:




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal