[A vida como ela é] Aquela simpática senhora!


Palavras malditas e mal ditas!



Baixar 1.11 Mb.
Página76/354
Encontro29.11.2019
Tamanho1.11 Mb.
1   ...   72   73   74   75   76   77   78   79   ...   354
Palavras malditas e mal ditas!


É comum encontrarmos pessoas que estão a proferir diuturnamente palavras de maldição; as tais palavras malditas. Outras proferem palavras mal ditas e nos fazem perceber o quanto são desprovidas de discernimento e inteligência deixando se revelar nos seus preconceitos e hipocrisia. Eu digo isso porque têm pessoas que a gente dá créditos antecipados, achando-as fascinantes, brilhantes e inteligentes, mas que aos poucos vão se revelando exatamente o contrário. Não é difícil nos decepcionarmos com o comportamento avesso de pessoas que tínhamos em alta estima e consideração. É horrível sentir-se traído pela confiança depositada em quem não a merecia.

Há meses eu vinha me relacionando virtualmente com uma “cadelinha” que eu imaginei ser a personificação da menina mulher idealizada por mim desde a minha mais tenra idade. Mas de repente, eis que a “cadelinha” me surpreendeu com os seus dentinhos afiados e começou a ladrar “palavras malditas e mal ditas” como se fosse gente. Pode até ser, mas é “gentinha raia miúda”. E ainda que frequente os mais requintados locais, ainda que esteja rodeada por pessoas de peles claras e olhos azuis ou verdes, esta “cadelinha” não passa de um lixo humano.

A “cadelinha” teve o disparate de me tentar convencer que o ser humano belo por si só é um vencedor. Argumentou dizendo que com a beleza se conquista o mundo. Não é bem assim que a vida tem mostrado. Vejamos alguns segmentos da sociedade onde não é levado em conta este argumento tão nojento, abjeto e repleto de preconceitos. Na construção civil, no samba, no pagode, no futebol, na lavoura canavieira e outras, enfim, em várias profissões a beleza não é levada em conta, mas sim a competência. E sabido é que “quem não tem competência, não se estabelece”! A “cadelinha” de quem eu falo, é incompetente e eu não preciso conhecê-la a fundo para afirmar peremptoriamente que ela é “gentinha raia miúda” da pior espécie.

Não sei de onde ela “roubou” uma história de um mendigo do sul que foi encontrado nas ruas de não sei onde e que foi reconhecidamente belo e fez da sua beleza a sua fortuna. É pena que esta beleza exterior possa não refletir o interior deste mendigo “sortudo” do sul. Eu prefiro ter a minha alma e o meu espírito iluminado para clarear o caminho de pessoas cegas como esta “cadelinha” repudiável e insuportável! Confesso que eu via beleza nela; confesso que eu admirei a sua inteligência até ela ter me mostrado a sua verdadeira face (e o seu valor de tão somente 10 mil reais)! Até ela “proferir” (escrever) suas (in) felizes palavras mal ditas e malditas! Está dito e escrito!



Baixar 1.11 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   72   73   74   75   76   77   78   79   ...   354




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa