[A vida como ela é] Aquela simpática senhora!


Que você é digna do meu amor, apreço e carinho



Baixar 2,07 Mb.
Página68/354
Encontro29.11.2019
Tamanho2,07 Mb.
1   ...   64   65   66   67   68   69   70   71   ...   354
Que você é digna do meu amor, apreço e carinho,

Se você nada tem de rosa, mas somente espinhos?

Quem foi que lhe disse

Quem eu não sei viver sem o seu amor

E que neste inverno eu morrerei sem o seu calor?

Quem foi que lhe disse tamanha idiotice?

Quem foi?

Quem foi que lhe disse?

A Promessa!

Não é um conto fictício, mas real. Eu nunca tive vontade de possuir correntes de ouro, brincos, anéis ou similares. Sinto-me sufocado se eu colocar algo em torno do meu pescoço e qualquer corrente me dá a sensação de que eu estou sendo “enforcado” por ela; eu não me sinto bem usando joias. Todavia, eu confesso que sempre desejei comprar uma pulseira de ouro pra usar junto ao meu relógio no braço direito; nunca usei relógio no braço esquerdo como a maioria das pessoas usa.

Continuemos: a princípio até mesmo o relógio eu relutei muito a usá-lo, mas em razão da necessidade de ver os horários de trabalho e para não me atrasar com os compromissos assumidos, então foi imperativo fazer uso deste objeto que tenho usado muito pouco ultimamente. Eu não gosto de nada me prendendo; por isso sou avesso ao celular e tantas outras coisas da modernidade. Enfim, eu comprei uma pulseira de ouro no valor de, aproximadamente, 3.000 reais, na cidade de Iguape / SP onde eu estive em janeiro passado com a minha esposa na cidade praiana vizinha de Ilha Comprida. Era a pulseira dos meus sonhos; grossa e bem trabalhada; meio século para possuí-la. Valeu a pena!

Entretanto não é bem dela que eu quero falar, mas de algo que me aconteceu na manhã de hoje. Mas é preciso situar o meu leitor sobre o dia de ontem. Eu fui me encontrar com uma simpática colega professora na cidade de Marília para conhecermos uma exposição e depois almoçarmos juntos; e é claro que rolou algo mais. Estive fora de minha casa desde sete horas da manhã e retornei por volta das dezoito horas. E como de costume eu cheguei e retirei o relógio, a pulseira e a aliança e guardei no local de costume; ocorre que não fiz como de costume, ou seja, prender a aliança na pulseira e ao relógio. Coloquei os três objetos juntos na gaveta do guarda roupa e nem me dei ao luxo de ver que estavam separados.

Nesta manhã eu fui me arrumar pra sair e ao colocar o relógio e a pulseira, eu senti falta da minha aliança e não sabia o que fazer. Sentei por horas na área e fiquei imaginando se eu não havia deixado no quarto da casa da colega professora onde eu havia passado uma parte da manhã. Depois de muito pensar, cheguei à conclusão de que não havia deixado no quarto da amante em Marília, mas tinha absoluta certeza de tê-la perdido em casa. Eu tinha certeza de que eu estava com a minha aliança ao voltar dirigindo e observando-a em meu anular esquerdo. Mas eu tive que perguntar pra minha esposa se ela havia pegado a minha aliança, pois eu não sabia onde eu a tinha colocado e temia ter perdido a aliança. Ela me disse não ter pegado e eu fiquei aflito; procurei por horas e sem sucesso. Revirei tudo e nada.

Então eu prometi que se encontrasse a “bendita” aliança eu jamais iria usá-la novamente bem como nada mais de ouro; isso incluiria a pulseira que tanto custou pra eu conseguir comprar. Eu me lembrei de uma corrente de ouro que eu dei pra minha esposa e que ela perdeu na calçada de casa enquanto caminhava com o nosso netinho no colo; a tristeza dela foi imensa, mas eu lhe comprei outra. E agora eu estava aflito sem saber como explicar a ela a perda da minha aliança. Eu me vi em maus lençóis! Revirei o carro e nada! Então resolvi sair para esfriar a cabeça e na casa de uma prima minha eu lhe contei a história e sentado na área da casa dela eu refiz os meus passos da tarde de ontem.

Voltei pra casa e fui verificar na gaveta, pela décima vez ou mais; fiquei surpreso ao ver que a minha aliança estava, de tal modo, embrenhada entre dois terços meus que ali estavam e eu não consegui vê-la. Ufa! Que alívio! Ressalte-se que a promessa já havia sido feita e, doravante, não mais usarei nada de ouro e nem prata. Nenhuma joia eu irei ostentar. Darei a pulseira ao meu filho e darei a aliança à minha esposa para que faça dela o que bem desejar. Está dito e escrito!




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   64   65   66   67   68   69   70   71   ...   354


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa