[A vida como ela é] Aquela simpática senhora!


[“Entre tapas e beijos!”]



Baixar 2,07 Mb.
Página45/354
Encontro29.11.2019
Tamanho2,07 Mb.
1   ...   41   42   43   44   45   46   47   48   ...   354
[“Entre tapas e beijos!”]

Eu não sou modesto!

Detesto a falsa modéstia e eu jamais fui modesto e nem serei, mas jamais arrogante e prepotente. Eu apenas sei onde, quando e como devo agir diante das situações mais inusitadas e bizarras que a vida possa exigir de mim. Nem sempre foi assim, mas agora eu me sinto muito mais à vontade para ser quem eu realmente sou. Nos restaurantes chiques ou não, eu mantenho a mesma classe de sempre, ou seja, nenhuma. Eu nem me dou ao luxo de ver quem está por perto e me sinto muito à vontade para dispensar os talheres que muito me incomodam; a colher é indispensável para o meu deleite e prazer na hora de cometer o pecado da gula!

Mas esta crônica eu comecei a escrever tão logo li uma bem humorada de um colega que fala das suas decepções em relação ao sexo frágil e das suas infrutíferas investidas sem sucesso com estas meninas mulheres ingratas que sempre lhe deram “bolo” nos encontros virtuais marcados. Eu confesso que tive mais sorte do que o colega, muito embora eu não faça isso com frequência e tenho na memória o número de vezes que fiz. Foram apenas quatro vezes e todas com sucesso, pois se eu vejo a possibilidade de um fracasso eu nem me atrevo. Manu me deu bolo e agora vive insistindo para que eu a desculpe e que vá ao seu encontro no próximo domingo; dia 30 próximo. Vou pensar se devo ou não dar uma chance a ela.

Eu ri muito ao ler a crônica do colega que se dizia “desastrado” no momento da conquista e lhe culpa pelos seus fracassos nos encontros. Também, exigir que a mulher não leve a “mala” do filho ao encontro é ser abusado demais. Não se fala assim do filho da mulher que se deseja conquistar. É sempre bom agradar os filhos porque a mãe se sente amada através deles; eu sempre que encontro uma linda menina mulher e mãe, jamais deixo ela sair da pizzaria sem levar aos seus filhos uma suculenta pizza grande ao gosto deles e dela.

Eu gosto muito de presentear a mulher no nosso primeiro encontro e nunca faço deste primeiro encontro o mesmo da primeira noite de amor. Eu preciso de no mínimo uns quinze dias para eu pesquisar sobre a mulher e o seu comportamento. Eu não tenho pressa de ir para a cama com a dita cuja sem antes ver se ela é digna de me ter e de “meter” comigo. Eu não achei o meu “menino” no lixo e não são quaisquer lábios vaginais que vão beijá-lo e devorá-lo. Eu sei me cuidar; eu me amo antes de me deixar amar por uma linda menina mulher. E está dito!




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   41   42   43   44   45   46   47   48   ...   354


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal