[A vida como ela é] Aquela simpática senhora!



Baixar 1.11 Mb.
Página260/354
Encontro29.11.2019
Tamanho1.11 Mb.
1   ...   256   257   258   259   260   261   262   263   ...   354
Eu, cachorro?

Isso aconteceu comigo numa bela manhã de domingo, após a missa, quando eu resolvi caminhar até o cemitério da cidade para uma visita aos túmulos dos meus parentes. E para quem não sabe, a atração turística da minha Maracaí são os cemitérios; não que tenhamos “cemitérios”, mas a cidade é, lamentavelmente, um cemitério. Logo, aqui não faltam “defuntos vivos e mortos”; se é que os meus leitores me entendem. Maracaí é a Cidade do “MENINO DA TÁBUA”!

Mas deixemos que os mortos enterrem os mortos e sigamos com a nossa crônica que nada tem a ver com “defuntos vivos ou mortos”. Eu caminhava rumo ao cemitério e passando defronte a casa de uma prima minha subia uma linda senhora, de shortinho bem curto, cabelo loiro esvoaçante, muito atraente, provocante e provocativa que eu não tive como não percebê-la. Não dá para não notar uma beldade passando ao meu lado. Todavia, eu sempre fui muito respeitador com as mulheres e não deixo de olhar o belo, mas sempre de maneira sutil e inteligente. Lanço o meu imperceptível “olhar 43”, tipo assim de soslaio. A mulher tem que ser muito esperta para “sacar” que eu estou a lhe admirar. Jamais dirigi um “gracejo” inoportuno para uma mulher. Acho isso de muito mau gosto e coisa de “gentinha”, de homem imbecil. Um olhar diz tudo; muito mais que mil palavras.

E ao me aproximar desta linda e jovem senhora, a menos de quatro metros de mim, ela disse: “vem Duda”. Eu fiquei sem entender o chamado e me limitei a dizer “bom dia”. Ela repetiu: “vem Duda”. E eu sem entender o motivo do chamado e, já diante da casa da minha prima, voltei a cumprimentar a linda jovem senhora dizendo “bom dia” e com ar “sem graça”, pois eu não me lembrava de onde eu a conhecia. Na verdade eu nunca tinha visto tal senhora.

Foi algo gostoso e constrangedor quando eu percebi que debaixo do carro da minha prima, que estava estacionado, saía um lindo cachorrinho “poodle” de cor acinzentada que era o “Duda” pelo qual a linda e jovem senhora loira chamava com insistência. Foi muito cômico! Eu ainda perguntei para a minha prima, que estava no portão, quem era aquela senhora que me chamava insistentemente. E de imediato eu me pus a rir ao ver o cachorrinho saindo debaixo do carro. Não me contive e disse para a linda e jovem senhora loira: “não tinha outro nome para colocar no seu lindo cachorrinho?”. Duda é o meu apelido de infância! Ela sorriu; e virou a esquina próxima rindo muito do ocorrido. Eu, cachorro? Poupe-me! E está dito!


Baixar 1.11 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   256   257   258   259   260   261   262   263   ...   354




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
minas gerais
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
outras providências
secretaria municipal
ResoluçÃo consepe
políticas públicas
Dispõe sobre
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Colégio estadual
conselho estadual
ministério público
consentimento livre
psicologia programa
público federal
Serviço público