[A vida como ela é] Aquela simpática senhora!


Aconselhei muito ela a amar o seu marido e mostrar a ele que as mulheres que amam de verdade não são interesseiras e que valorizam o amor em primeiro lugar



Baixar 1.11 Mb.
Página173/354
Encontro29.11.2019
Tamanho1.11 Mb.
1   ...   169   170   171   172   173   174   175   176   ...   354
Aconselhei muito ela a amar o seu marido e mostrar a ele que as mulheres que amam de verdade não são interesseiras e que valorizam o amor em primeiro lugar.

Mas ela insistiu em me dizer que era uma “bobinha”, uma “criança” e que estava mesmo apaixonada por mim. Pediu-me insistentemente pra que eu a fizesse feliz e disse-me: “- Você é muito romântico, o amor da minha vida e eu amo muito você. Faça-me feliz. Eu lhe imploro”!

Portanto, meus caros maridos, deem às suas esposas muito mais carinho e atenção. Eu faço isso para minha Cidinha e tem sobrado tempo pras amigas minhas; as suas mulheres!

Quem sou eu?

Não queira descobrir quem sou. Descubra a si mesmo e perceba que não sou muito diferente de você. Sou um ser humano travestido de anjo e demônio. Muito mais demônio. Sou egoísta, imediatista e individualista, mas não por opção. Simplesmente retrato a minha condição humana sem a hipocrisia dos seres humanos que se julgam “deuses”.

E quando eu digo “se julgar deuses”, eu quero falar daqueles que se pintam como o verdadeiro Deus e não como o demônio. Eu falo das pessoas boas e honestas que vivem neste mundo doente tentando consertá-lo a qualquer preço. Eu não sou uma pessoa boazinha e nem metido a São Francisco de Assis e menos ainda à Madre Tereza de Calcutá. Eu sou um ser imperfeito que não está preocupado em buscar a perfeição porque não desejo competir com Deus. Jamais ousaria.

Eu sou um homem realista que reconhece a sua fragilidade humana e que não fica “posando” de bom moço. Aqueles que se julgam “deuses” deveriam se espelhar no exemplo divino e não no maligno, pois julgar se Deus é imitá-lo em bondade, tolerância, humildade, dignidade e santidade.

Portanto quando ouço dizer que os Magistrados se sentem deuses, eu discordo. Eles e todos os demais seres humanos investidos de “poder” sentem-se demônios e não deuses. Os poderosos só sabem humilhar, discriminar e “pisotear” os menos privilegiados da sociedade. Convençam-me do contrário!

Enfim, eu sou um pouco de tudo isso. Dá-me o poder e vocês verão. Somente não sou hipócrita a ponto de achar que o ser humano é a mais perfeita criatura divina; discordo veementemente. Há seres mais perfeitos que nós. Aliás, quem crucificou o Cristo foi o povo e “esses homens investidos de poder”. Não fui eu! E ainda há idiotas que dizem que “a voz do povo é a voz de Deus”. Feliz foi um político que disse que “toda unanimidade é burra”; concordo!

Basta! Eu sou o “boca de inferno”, mas não sou Gregório de Matos. Seria muita pretensão. Eu vivo a realidade. Eu sou a realidade. Também sou romântico e sonhador quando o assunto é o amor. Eu sou uma mistura de anjo e demônio. Eu sou um ser humano como a grande maioria: cego, surdo e mudo. Menos hipócrita!



Baixar 1.11 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   169   170   171   172   173   174   175   176   ...   354




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana