A repercussão da ausência paterna no desenvolvimento psicossocial do menino



Baixar 19.54 Kb.
Encontro10.03.2018
Tamanho19.54 Kb.

Resumo

A Repercussão da ausência paterna no desenvolvimento psicossocial do menino

Aluna: Elissandra Santos Ângelo de Oliveira (elissandra-angelo@hotmail.com)

Orientador: Lúcio Mauro dos Reis



O presente trabalho teve como objetivo investigar em que medida a ausência da figura paterna pode causar impacto ao nível do desenvolvimento do menino, mas especificamente no início da construção do seu auto-conceito. As evidências sugeridas pelos dados teóricos apontam para a existência de uma forte ligação entre a aceitação que a criança sente pela presença da figura paterna. Encontramos evidências que parecem indicar que a gratificação sentida pelo pai, nas atividades que remetem para a relação de cuidar, influencia positivamente a forma como a criança se auto-percebe nas dimensões de aceitação de pares, de competência física e de competência cognitiva. A gratificação que o pai retira da interação com a criança, na relação de cuidar, parece ajudá-la na construção de um sentimento de Si mais positivo e seguro. O objeto deste estudo é o papel e a figura concreta de um pai, ausente em sua corporalidade e afetividade, que se depara com a demanda subjetiva, advinda da exigência de revisão de seu papel no mundo contemporâneo. Buscou-se investigar os impactos que a ausência desta paternidade gera na convivência do filho com o processo de transformações em marcha: o pai que transita entre valores novos e arcaicos. Os autores consultados abordaram que tanto o abandono psíquico e afetivo, a ausência paterna, na representação da lei, o limite, segurança e proteção, é considerado pior que o abandono material. Vale ressaltar que a pessoa é formada quando ainda criança, incluindo-se os traços de caráter. Assim a ausência do pai retira um fator de referência da criança e pode causar prejuízos consideráveis no seu processo de aprendizagem. O acesso a estes conhecimentos se deu através de pesquisas teóricas, utilizando-se autores psicanalíticos e psicossociais, tais como: Lacan (1995), Dor (1991), Roudinesco (1998), Vitale (2002), Wallon (1975), Winnicott (1982). A pesquisa realizada para essa investigação foi bibliográfica, para tanto foram utilizadas diversas fontes, como livros, artigos de internet, dentre outros, para a realização do referencial teórico, com apoio da psicanálise e outras vertentes. As teorias psicológicas e as pesquisas científicas afirmam e fundamentam o papel da figura paterna no desenvolvimento e no psiquismo infantil. O objetivo desta pesquisa foi levar ao conhecimento do leitor as reais consequências ocasionadas com meninos criados sem a presença paterna. A problemática de pesquisa se resumiu na investigação sobre os impactos que a ausência paterna pode gerar no desenvolvimento psicossocial e cognitivo do menino. E, decorrente desta questão, apresentar como tais impactos afetam a construção e o desenvolvimento moral, social, emocional e psicológico do menino.

Área do Conhecimento: Ciências Humanas, Psicologia, Psicanálise, Psicologia Social

Palavras-chaves: Pai, criança, ausência, figura paterna.

Baixar 19.54 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
ensino médio
terapia intensiva
Conselho nacional
minas gerais
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
catarina prefeitura
recursos humanos
Dispõe sobre
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
psicologia programa
ministério público
conselho estadual
público federal
Serviço público