A psicologia aplicada no Brasil, segundo zanelli (1994), começou com a psicologia aplicada ao trabalho, através da criação de cursos e Instituições e da publicação de textos importantes



Baixar 111,39 Kb.
Página7/16
Encontro04.03.2018
Tamanho111,39 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   16
TEORIA “Z”: a teoria “Z” de Ouchi (1982), parafraseando a contribuição de McGregor, que contempla a concepção japonesa de administração e sua aplicação bem sucedida em empresas americanas (segundo este autor, a produtividade é muito mais uma questão de administração de pessoas do que de tecnologia, muito mais de gerenciamento humano fundamentado em filosofia e cultura organizacionais adequadas do que de abordagens tradicionais fundamentadas na organização. No Japão, diz o autor, o processo decisorial é participativo e consensual, resultado de longa tradição de participação e envolvimento dos membros na vida da organização. Lá o emprego é vitalício, existe estabilidade no emprego e a organização funciona como uma comunidade humana em estreita vinculação e participação através do trabalho em equipe. Assim, a produtividade é uma questão de organização social: a maior produtividade não virá através de um trabalho mais árduo, mas de uma visão cooperativa associada à confiança. O sindicato, por exemplo, está junto ao governo e à administração das organização, através da teoria “Z”, como uma forma de realçar o senso de responsabilidade comunitária como base para a cultura organizacional).
Para Sampaio (1998), esse reposicionamento da Psicologia do Trabalho levou a uma compreensão mais próxima do homem que trabalha, implicando um aumento do campo de visão do pesquisador nesta área da psicologia. Surgiram nesta fase, a discussão de temas até então proibidos, como poder, conflitos e seus reguladores, numa visão de políticas organizacionais, não mais como funções ou sistemas. A Psicologia do Trabalho deu ênfase na saúde mental do homem que trabalha e as dimensões esquecidas como o significado e as relações de trabalho. Viu o homem como um sujeito desejante e seus esforços voltados para o seu bem-estar, como trabalhador.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   16


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal