A psicologia é uma profissão reconhecida, no Brasil, pela lei 4



Baixar 163.5 Kb.
Página2/9
Encontro04.03.2018
Tamanho163.5 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9
Área temática: Saúde

Introdução

A psicologia é uma profissão reconhecida, no Brasil, pela lei no 4.119, de 27 de agosto de 1962. Além de determinar que o Psicólogo habilitado para o exercício da profissão é aquele que completa o curso de graduação em psicologia, a lei estabelece que “o exercício da profissão está relacionado ao uso (que é privativo dos psicólogos) de métodos e técnicas de psicologia para fins de diagnóstico psicológico, orientação e seleção profissional, orientação psicopedagógica e solução de problemas de ajustamento” (Bock,2000, p.150).

Embora historicamente tenham-se definido áreas de atuação para a psicologia, o psicólogo é, e sempre foi, considerado um profissional da saúde.

Por se tratar de uma profissão preocupada com a promoção da dignidade e integridade humana, a saúde é um âmbito de atuação profissional dos psicólogos. Nesse sentido, a Resolução do Conselho Nacional de saúde, CNS nº 218/97, reconhece o psicólogo como profissional de saúde de nível superior” (Conselho Regional de Psicologia – CRP, 2006, p.09).


Neste sentido, como profissional da saúde, um dos campos de atuação do psicólogo é a esfera clínica. A concepção de psicólogo clínico tem, ao longo dos últimos anos, sofrido modificações que vão desde uma concepção clássica, na qual o psicólogo clínico é aquele que exerce atividade de psicodiagnóstico e/ou terapia individual ou grupal, até a definição de psicólogo clínico como aquele profissional

que atua na área específica da saúde, procedendo ao exame de pessoas que apresentam problemas intra e interpessoais, de comportamento familiar ou social ou distúrbios psíquicos, e ao respectivo diagnóstico e terapêutica, empregando enfoque preventivo ou curativo e técnicas psicológicas adequadas a cada caso, a fim de contribuir para a possibilidade de o indivíduo elaborar sua inserção na vida comunitária “ (CRP, 2006, p.55)

Nesta tarefa de formação do psicólogo, os cursos de graduação em Psicologia, além de oferecer uma gama de conhecimentos teóricos em psicologia, devem garantir ao aluno um espaço para a prática supervisionada de atividades profissionalizantes, isto é, o estágio. Yehia (1996), quanto a este aspecto, afirma que o estágio de formação de psicólogos tem por finalidade propiciar ao estagiário situações que favoreçam o desenvolvimento de seu papel profissional. Para isto, é importante que o aluno possa vivenciar situações de atendimento psicológico a pacientes, assim como possa compartilhá-las com os colegas e o supervisor, ampliando e aperfeiçoando assim suas habilidades e competências.

Pensando em oferecer este espaço para estágio, são criadas em todo o Brasil, junto às Universidades, as chamadas Clínicas-escola de Psicologia, definidas por Silvares (2000) como clínicas criadas para estágio do aluno de graduação que atende a clientela da comunidade, supervisionado pelos professores supervisores.

Através das clínicas-escola, o curso de psicologia possibilita o treinamento de alunos, mediante a aplicação prática dos conhecimentos teóricos adquiridos em sala de aula, ao mesmo tempo em que exerce um papel social de extrema importância, pois atende de imediato a demanda da comunidade local oferecendo à população economicamente desfavorecida uma possibilidade de acesso a serviços psicológicos gratuitos ou de baixo custo. Dentre esses serviços, encontram-se o de triagem, avaliação psicológica, psicoterapia individual da criança, do adolescente e do adulto, psicoterapia grupal e programas com enfoque preventivo.

Estão sendo denominadas clínicas-escola, as clínicas psicológicas que oferecem primordialmente serviços de psicodiagnóstico e psicoterapia individual (grupal também) à população em geral (...) São clínicas-escola pois é nela que o estudante de psicologia faz grande parte de sua formação clínica, ou seja, a maior parte do grupo de profissionais que nelas trabalham é constituída por alunos, geralmente dos últimos anos da graduação em psicologia ” (Herzbeg, 1996, p.148).


Atualmente, tem sido crescente o número de estudos que voltam sua atenção para as Clínicas-Escola. Muitas destas pesquisas são realizadas com o intuito de promover uma caracterização da clientela de tais serviços, outras descrevem as experiências vivenciadas, os serviços oferecidos, a problematização das dificuldades inerentes ao trabalho clínico-institucional. Algumas pesquisas ainda propõem uma reflexão acerca dos objetivos das clínicas-escola, isto é, se estas suprem as reais necessidades da população atendida, permitindo se necessário uma modificação nos mesmos, no sentido de tornar as estratégias de atendimento e as técnicas psicológicas utilizadas mais apropriadas para a clientela (Yehia, 1996; Silvares, 1996; Salinas e Santos, 2002; Enéas, Faleiros e Sá, 2000; Silvares, 2000; Santos et all, 1993). O que todos estes estudos têm em comum é a idéia de que as clínicas-escola têm por objetivo oferecer atendimento à comunidade e formar alunos/estagiários.

Como o atendimento aos pacientes é realizado por alunos/estagiários do curso de graduação em psicologia, a natureza didática do estágio deve ser garantida por meio da realização de supervisão efetiva das atividades por profissional qualificado, como garante o Código de Ética do Psicólogo. Assim, todos os serviços prestados nas clínicas-escola ficam sob a responsabilidade direta do psicólogo supervisor que deve verificar e acompanhar pessoalmente a capacitação técnica de seu aluno estagiário.

A supervisão, neste sentido, constitui um elemento primordial desta tarefa de formação do aluno estagiário. Morato (1996, p.89), neste sentido, afirma que

a prática clínica também é endossada e legitimada em sua especificidade pela e na supervisão. Sem dúvida, é na consecução dessa prática que a transmissão dos conhecimentos e ensinamentos teóricos e técnicos é garantida. (...) É através da supervisão e no exercício de estágios profissionalizantes que o ofício e a aprendizagem dos conceitos teóricos e do manejo das técnicas se efetivam”.

Na supervisão o processo de aprendizagem acontece baseado no estudo conjunto do material que descreve a interação entre o paciente e seu terapeuta. Segundo Greenberg (1975), um dos objetivos mais importantes da supervisão é a integração teoria e clínica, ou seja, ensinar/aprender a adequar o instrumental teórico ao material clínico do analista.

Cardoso (1985) conceitua a supervisão em clínica como “a terapia do papel profissional”, em que não acontece um “olhar sobre” mas “olhar através de”. Nesta, o supervisor olha para o paciente através do terapeuta, vê a pessoa do terapeuta e permite a este olhar a si próprio, enquanto pessoa e enquanto profissional. Assim, como aponta Morato (1996), a supervisão, ancorada na necessidade e reconhecimento de elaboração da experiência de viver a experiência na experiência, está a condição de atividade imprescindível para a aprendizagem e formação do psicólogo.

Assim, as clínicas-escola, inseridas dentro de instituições de ensino superior, compartilham a mesma missão, qual seja, promover o ensino, a pesquisa e a extensão, como escreve Herzbeg (1996).

Na URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, o atendimento disponibilizado à comunidade através da Clínica-escola do curso de Psicologia, vem ao encontro das finalidades da instituição propostas no artigo 5º do seu estatuto, a saber: “estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade, respeitadas suas raízes e buscando seu pleno desenvolvimento; promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão dos avanços e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológicas geradas na universidade” (URI - Plano de Desenvolvimento Institucional, 2006 a 2010, p.17).

A Clínica-Escola do Curso de psicologia da URI, cumprindo com as duas finalidades citadas por Yehia (1996) como desígnios das clínicas-escola de psicologia - atendimento à população e formação dos estagiários - também cumpre com a responsabilidade social desta Universidade: atender a população, trazendo melhoria das condições de vida das comunidades, contribuindo para o processo geral de desenvolvimento, assim como formação contínua e permanente de pessoas e profissionais qualificados solidários e comprometidos com a visão institucional para atuarem na sociedade.

A partir disso, este artigo tem como objetivo apresentar a experiência da clínica-escola do Curso de Psicologia da Universidade Regional Integrada do campus de Frederico Westphalen. Para tanto, estão descritos abaixo o funcionamento e estrutura da Clínica-Escola da URI, as atividades desenvolvidas pelos estagiários, bem como alguns dados preliminares quanto ao perfil da clientela e características do atendimento psicoterápico realizado.





Baixar 163.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
ensino médio
terapia intensiva
Conselho nacional
minas gerais
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
catarina prefeitura
recursos humanos
Dispõe sobre
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
psicologia programa
ministério público
conselho estadual
público federal
Serviço público