A psicologia é simultaneamente uma das ciências mais antigas e uma das mais recentes



Baixar 70,45 Kb.
Página8/9
Encontro04.03.2018
Tamanho70,45 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9
Processo de transferência:

O paciente revive situações passadas, geralmente recalcadas, no momento com o analista.

Dá-se uma transferência de emoções e sentimentos como desejos, ciúmes, inveja, ódio, ternura e amor, que no passado eram dirigidos a outra pessoa, para o analista.

O analista interpreta e, através da interpretação, explica ao paciente a ligação das emoções transferidas com acontecimentos do passado.


Atos falhados:

Eventos (erros e lapsos de fala e do funcionamento psíquico) em que o resultado obtido não é o resultado esperado, existe um desvio para uma outra atividade.

Cada ato falhado traz consigo uma intenção considerada como uma “mensagem” do inconsciente.

Através dos atos falhados o analista pode encontrar pistas de recalcamentos e desejos inconscientes, por vezes causas de patologias.


Mecanismos de defesa do ego:
Processos subconscientes desenvolvidos pela personalidade que possibilitam à mente desenvolver uma solução para lidar com conflitos e frustrações a nível da consciência. Para Freud o termo “defesa” deveria ser utilizado para “todas as técnicas que o ego utiliza em conflitos que podem levar a neurose”.
Recalcamento - o sujeito envia para o seu id as pulsões, desejos e sentimentos que não pode admitir no seu ego. Conteúdos recalcados (sonhos, atos falhados, lapsos de linguagem)
Regressão – frente a uma frustração o sujeito adota atitudes, comportamentos ou modos de pensar característicos de um estádio de desenvolvimento anterior.

Ex.: nascimento de um irmão pode originar birras, cenas de ciúmes, uma criança que já esta habituada a fazer chichi no bacio/sanita passa a fazê-lo onde não deve.


Racionalização – o sujeito justifica o seu comportamento através de argumentos racionais, retirando o aspeto emocional de uma situação frustrante.

Ex.: um irmão explica de forma racional porque bateu noutro.


Projeção – o sujeito atribui aos outros (sociedade, pessoas ou objetos) desejos, ideias ou características que não admite em si próprio.

Ex.: a boneca é má; aquela pessoa odeia-me.


Deslocamento – o sujeito transfere pulsões e emoções do seu objeto natural, mas que não e facilmente aceite, para um objeto substituto.

Ex.: o pai chega a casa irritado com o dia de trabalho e a criança ao assistir descarrega a angústia, raiva na boneca.


Formação reativa – o sujeito resolve o conflito entre os valores e as tendências consideradas inaceitáveis, apresentando comportamentos opostos as pulsões.

Ex.: uma pessoa ser amável com alguém que odeia; um sujeito afasta-se de quem gosta.


Sublimação – o sujeito substitui o fim ou o objeto das pulsões de modo a que essas se possam manifestar em modalidades socialmente aceitáveis.

Ex.: um piromaníaco torna-se bombeiro de maneira a ter uma relação diferente com o fogo.


Fatores importantes sobre os mecanismos:

  • São escolhidos inconscientemente pelo individuo

  • Atuam conforme a natureza da situação e das características da personalidade do sujeito

  • Mesmas situações podem desencadear mecanismos de defesa diferentes em indivíduos diferentes.

  • O uso prolongado e excessivo de mecanismos pode torna-los desadequados em situações do nosso dia-a-dia.

  • Podem ser frustrados tornando, assim, o conflito ainda mais intensificado.

  • Quando os mecanismos falham, podem ocorrer transformações mais agressivas no comportamento.


Contributos para a psicologia
Freud distingui três níveis de consciência, deu importância sobretudo o estudo das forças inconscientes que motivam o comportamento humano e desenvolveu a psicanálise

Freud fez-nos tomar consciência dos pensamentos e emoções inconscientes, da ambivalência das relações precoces de pais e filhos e da presença de pulsões sexuais.

Ao demonstrar o “dinamismo interno” de cada um de nos, onde uma parte representa personagens de desejos reprimidos, faz-nos aperceber que mesmo estando sozinhos, agimos psiquicamente em grupo, ou seja, o entendimento do psiquismo de um individuo contribui para o entendimento do funcionamento de um grupo.

Faz do social um agente formador e transformante.

Psicoterapia em grupo.

1   2   3   4   5   6   7   8   9


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal