A psicologia é simultaneamente uma das ciências mais antigas e uma das mais recentes



Baixar 70,45 Kb.
Página5/9
Encontro04.03.2018
Tamanho70,45 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9
Sigmund Freud

Freud apresenta o inconsciente como elemento integrante da estrutura do psiquismo ou da mente humana.
Modelo do Psiquismo:


  • 1ª tópica:

Freud considerava o psiquismo humano semelhante a um iceberg, em que uma gigantesca parte imersa (inconsciente) sustenta a pequena parte que emerge à superfície (consciente).

Consciente – constituído por noções, imagens e lembranças que a pessoa é capaz de voluntariamente evocar e controlar segundo as suas necessidades, os seus desejos ou as suas exigências sociais.

Inconsciente – formado por instintos, pulsões e desejos socialmente inaceitáveis, mas que a todo o momento exercem pressão para se manifestar. O inconsciente é a base do consciente, estando nele depositados todos os motivos e impulsos biológicos, garantia de sobrevivência individual e da espécie. O conjunto de pulsões e desejos inconscientes possuem um dinamismo próprio, cujo papel na determinação do comportamento é superior ao dos fenómenos conscientes. Esta é a grande “novidade” de Freud, o inconsciente como o aspeto mais significativo, considerando nele residir a explicação da mente e das condutas humanas, a consciência é destronada pelo inconsciente que vai conduzir uma inédita do “eu” ou da personalidade.


  • 2ª tópica:

Para Freud a mente do ser humano era constituída por três estruturas, a que chamou instâncias do eu: id, superego e ego.

O id é uma componente inata, básica e primitiva, totalmente inconsciente, age segundo o princípio do prazer. No id gera-se a energia psíquica, isto é, a força ativadora do comportamento humano a que Freud chamou de libido (carácter afetivo-sexual). Também nele se geram duas categorias de “instintos” humanos: o eros (instinto de vida, presente na satisfação de necessidades básicas como o alimento e o sexo) e o thanatos (instinto de morte, presente em todos os comportamentos de defesa que implicam agressão e destruição)

O superego forma-se por volta dos 5/6 anos, através da interiorização dos valores, das regras e das proibições impostas. O superego, ao contrário do id, é de natureza social e moral, representando a componente ideal da personalidade humana. Esta instância é, também, uma espécie de guardião moral, tendo por função impedir a manifestação das pulsões socialmente inaceitáveis, recalcando-as.

O ego nasce do impacto entre o id e os factos reais que o impedem de obter prazer de modo imediato. Opera de acordo com o principio da realidade, modera a impulsividade do id. Torna-se um mediador entre as solicitações do id e as exigências do superego. O ego é uma estrutura racional, é a instância executiva da personalidade, assim, seleciona as situações a que a pessoa deve responder, controla a ação e decide de que modo as necessidades e os desejos podem ser satisfeitos.


Conflito intrapsíquico:

ID

“Eu quero isso agora!”



SUPEREGO

“Pessoas bem formadas não fazem isso”






Conflito




EGO

“Talvez consigamos chegar a um acordo”



As pressões opostas exercidas pelo id e pelo superego geram um conflito suscetível de criar ansiedade.

Para enfrentar a ansiedade, as pessoas recorrem a diversas modalidades de ação que Freud designa como mecanismos de defesa do ego / eu.

O equilíbrio interno da pessoa e a sua adaptação social dependem da sua capacidade para usar os mecanismos que melhor protejam a sua integridade psicológica.


Estádios de desenvolvimento:

Freud atribui grande importância aos estádios de desenvolvimento.

Existem 5 estádios: oral, anal, fálico, latência e genital
Oral:

Do nascimento aos 12/18 meses de idade

Fontes de prazer: boca, lábios e língua.

Manifestações: mamar, comer e morder.

Conflitos: a grande causa de conflitos neste estádio é a altura do desmame. A partir daqui, as características da personalidade poderão ser:


  • Otimismo – quando a criança ultrapassa o conflito

  • Pessimismo – quando a criança deixa de mamar muito cedo. Neste caso as consequências na personalidade da criança podem manifestar-se de variadas maneiras. Pode gerar impaciência, inveja, agressividade, a criança pode criar aversão ou repugnância a certos objetos devido a privação a experiências neste estádio, assim como, deixar de comer.



Anal:

Dos 12/18 meses aos 3 anos de idade

Fontes de prazer: ânus

Manifestações: reter, expulsar e controlar

Conflitos: quando a criança está na fase de treino. Iniciam-se as idas ao bacio e, com isso, duas possíveis situações:


  • Retentivo anal – é o célebre caso ‘não quero!’ ‘faço quando quiser’. Este caso pode causar na personalidade avareza, obstinação, a ordem compulsiva e a meticulosidade. Embora haja mais ordem nesta situação, a criança acaba por se sentir mais controlada e por isso recusa-se a ‘obedecer’ ao que lhe é dito.

  • Expulsivo anal – nesta situação a criança não tem problemas na expulsão. Não existe ordem nem treino, criando desta forma a crueldade, a destruição, a desordem e a desarrumação. A criança faz o necessário quando quer.


Fálico:

Dos 3 aos 5/6 anos de idade

Fontes de prazer: órgãos genitais

Manifestações: Exploração do próprio corpo e o dos outros através do toque.

É neste estádio que se forma o superego.

Conflitos: o conflito estará presente no complexo de Édipo, no caso masculino, e no complexo de Electra, no caso feminino. Estes complexos são importantes na formação da personalidade porque se baseiam na independência por parte dos rapazes e das raparigas em relação aos pais. Desta fase poderão advir o orgulho, a promiscuidade, a humildade, a sedução, a timidez ou a castidade. Tudo isto é definido pelo superego.





Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal