A leitura na educaçÃo infantil


A educação infantil e o prazer de ler



Baixar 63.5 Kb.
Página4/6
Encontro14.06.2019
Tamanho63.5 Kb.
1   2   3   4   5   6
A educação infantil e o prazer de ler
É um fato inquestionável que as crianças vão à escola com o objetivo maior de aprender a ler e a escrever convencionalmente, mas o que está em discussão aqui é até que ponto a escola de hoje está conseguindo formar verdadeiros leitores, ou seja, aquele leitor que ao sair da escola irá procurar um livro para ler, pois sabe que a leitura é uma fonte inesgotável de prazer.

Sabemos também que a leitura é uma ferramenta indispensável, na apropriação do conhecimento, como aborda Fontana e Cruz,


[...] Leitura e escrita são objeto de conhecimento (as crianças vão à escola para aprender a ler e escrever) e instrumento para a apropriação de outros conhecimentos (utilizando essas atividades, nós, professores, ensinamos), além de instrumento de trabalho dos professores, meio de comunicação na comunidade escolar (presente em bilhetes, avisos, boletins, murais, cartazes) registro, memória (nos planos, projetos, documentos, atas). (FONTANA E CRUZ, 1997, p. 208, grifos da autora).
Conforme vimos acima, a leitura e a escrita estabelecem importantes funções na vida escolar, pessoal e social. A autora acrescenta, ainda, o fato de a leitura servir de mediadora das interações sociais das crianças e questiona que mesmo com uma importância tão grande atribuída a leitura, ainda temos um alto índice de analfabetismo funcional. Esse analfabetismo funcional se deve, em parte, ao tratamento que a escola dá ao ato de ler, isto é, os professores se preocupam mais com a simples decifração do código do que com o significado que a leitura traz para a criança.

É justamente o significado de ler que a escola precisa ainda rever em sua prática pedagógica, afim de que possa vir a despertar no aluno o prazer de ler, uma vez que, como aborda Batista,


Atitudes como gostar de ler e interessar-se pela leitura e pelos livros são construídas, para algumas pessoas, no espaço familiar e em outras esferas de convivência em que a escrita circula. Mas, para outros, é, sobretudo, na escola que este gosto pode ser incentivado. Para isso, é importante que a criança perceba a leitura como um ato prazeroso e necessário e que tenha os adultos como modelo. Nessa perspectiva, não é necessário que a criança espere aprender a ler para ter acesso ao prazer da leitura: pode acompanhar as leituras feitas por adultos, pode manusear livros e outros impressos, tentando “ler” ou adivinhar o que está escrito. (BATISTA et.al, 2008, p. 40, grifo dos autores)
Assim, compreendemos que, conforme o pensamento dos autores acima, o prazer da leitura é algo que se constrói, e para a maioria dos alunos, especialmente os da escola pública, a sala de aula é o lugar onde eles se encontra com a leitura pela primeira vez e, muitas vezes, a aula é a única oportunidade de contato com o mundo dos livros. Tudo isso faz com a responsabilidade do professor aumente ainda mais no que diz respeito à formação do leitor.

Dessa forma, para que o prazer de ler apareça naturalmente nas crianças, o professor precisa fazer com que o aluno enxergue, na leitura, um mundo no qual possa se divertir, se emocionar e viajar na fantasia, provocando a vontade e aguçando o desejo pela leitura e ao mesmo tempo incentivos para que os educandos busquem sempre estar em contato com os livros, pois,


O incentivo ou o estímulo é peça chave para formar leitores que buscam a leitura pelo habito, por prazer. Esse hábito é interiorizado dede muito cedo pela criança. por isso, a família exerce influencia significativa, mas o professor também tem um grande papel a desempenhar. (VARGAS, 2007, p. 14)
Nessa perspectiva, a Educação Infantil é uma fase muito decisiva na formação do leitor, já que é nela que as crianças darão início ao processo de leitura, bem como, começarão a realizar tarefas escolares que, com certeza, envolverão a leitura. Nessa etapa de ensino, o professor desempenha um papel de fundamental importância no, desenvolvimento de atividades de leitura que favoreçam e despertem o gosto e o prazer pela leitura, para que os pequenos leitores, tornem-se leitores para a vida toda. Para tanto, é preciso mostrar sempre que ler é uma atividade muito prazerosa, que vai muito além de decifrar palavras, faz com que o aluno fantasie, viaje para lugares nunca vistos, sinta emoção, vivencie situações do mundo adulto, etc.

Podemos dizer, ainda, que atingir o objetivo de desenvolver o gosto pela leitura se torna mais fácil na Educação Infantil, porque para as crianças mergulhar no mundo mágico da leitura é algo natural, pois os pequenos são naturalmente envolvidos pela fantasia. Cabe então ao professor dedicar seu tempo a conhecer o mundo da literatura, pois não se pode formar leitores sem sê-lo.

Portanto, acreditamos que a formação do aluno leitor precisa ser, antes de tudo uma continuidade da formação do professor leitor, este por sua vez, deve ser um leitor ávido de literatura, dado que é na literatura que se torna mais provável encontrarmos o prazer de ler.



Baixar 63.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana