A importância do apoio psicológico no processo de terminalidade



Baixar 36,5 Kb.
Encontro08.05.2018
Tamanho36,5 Kb.

A IMPORTÂNCIA DO APOIO PSICOLÓGICO NO PROCESSO DE TERMINALIDADE DA VIDA

Alessa Carvalho1

Caroline Reksidler¹

Guilherme Brittes¹

Luanna Muller¹

Thayrine Drumond¹

Leide Sanches2
RESUMO

Trata-se de um estudo sobre a finitude da vida, que envolve diversas discussões relacionadas aos cuidados paliativos e à terminalidade da vida na visão do profissional da psicologia. Os objetivos deste trabalho são buscar alguns esclarecimentos sobre a relação do Psicólogo com o paciente no processo terminal e com os familiares, buscar compreender os cuidados paliativos e identificar os processos desenvolvidos pelo serviço de psicologia, para que o paciente e a família façam o enfrentamento da morte da melhor maneira possível. Este estudo se deu por meio de uma pesquisa bibliográfica em artigos relacionados ao tema, encontrados pelas palavras chave: cuidados paliativos, paciente terminal e enfrentamento da morte. Foi utilizado banco de dados Scielo e Google acadêmico. Dentre os resultados foi possível observar que o papel do psicólogo junto a toda equipe multiprofissional no processo terminal é de extrema importância.

Atualmente conversar sobre terminalidade da vida é um tabu, até mesmo para profissionais da saúde, pelo fato do homem ser o único animal que têm consciência da sua própria finitude. O difícil acesso aos serviços de assistência, as falhas na política de saúde, a falta de formação adequada de profissionais nessa área e, principalmente, a falta de informação do paciente sempre nos colocou frente à necessidade de um psicólogo atuando junto à equipe multidisciplinar, para transmitir seus conhecimentos e percepções para a equipe facilitando uma ampla visão do paciente.

No processo de enfrentamento da morte, o paciente pode passar por diferentes estágios de aceitação em relação ao diagnóstico, tais como: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Devido a estas circunstâncias, o paciente evita relacionar-se com profissionais da saúde, frustrando-se ao falar da doença.

O cuidado paliativo tem como princípio: afirmar a vida e encarar o morrer como um processo natural, não apressar e nem adiar a morte, procura aliviar a dor, os sofrimentos e outros sintomas desconfortáveis, oferecer apoio para que os pacientes vivam tão ativamente quanto possível até a morte, preenchendo com vida e qualidade o tempo que lhes resta.

O paciente terminal vive um momento do qual seu familiar também faz parte, das mais diversas formas, e essa participação irá interferir na aceitação ou rejeição do paciente frente ao tratamento. O Psicólogo deve trabalhar aspectos cognitivos e emocionais, questões éticas e bioéticas, ajudar o paciente e sua família enfrentarem juntos seu adoecimento de modo que aceitem simultaneamente toda a realidade, tentando aliviar os sintomas e promover uma qualidade de vida melhor para esses pacientes e familiares em um momento tardio.

Conclui-se que o papel do psicólogo junto a toda equipe multiprofissional no processo terminal é de extrema importância. Num momento tão delicado da vida do paciente que se encontra debilitado, é mais do que necessário o apoio psicológico para todos envolvidos no processo, e este apoio se dá através dos cuidados paliativos, que tem como objetivo providenciar que os pacientes vivam tão ativamente quanto possível até a morte, também orientar familiares e oferecer-lhes suporte adequado através de uma equipe multiprofissional.
Palavras chave: Terminalidade, paciente terminal, Cuidados Paliativos, enfretamento da morte.

REFERENCIAS

KÜBLER ROSS, Elizabeth. Sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes, 1998.



PEREIRA, Lilian Lopes; DIAS, Ana Cristina Garcia. O familiar cuidador do paciente terminal: O processo de despedida no contexto hospitalar. REV. PUCRS, Porto Alegre, v. 38, n. 1, jan/abr. 2007.


1 Acadêmicos do segundo período de Psicologia das Faculdades Pequeno Príncipe (FPP), Curitiba – PR. 2011 (guilhermesbrittes@gmail.com)

2 Orientadora, Mestre em Sociologia pela UFPR, Professora de Sociologia e Antropologia das Faculdades Pequeno Príncipe (FPP), Curitiba – PR. (leidesanches@hotmail.com)

Catálogo: enepe -> wp-content -> uploads -> 2014
2014 -> Afetividade no ensino-aprendizagem: a perspectiva de estudantes da educaçÃo superior
2014 -> O desenvolvimento da criança com a família vivendo em área de invasão no bairro caximba em curitiba
2014 -> Fatores de riscos e proteçÃo para doenças crônicas não transmissíveis na percepçÃo dos acadêmicos da área da saúDE
2014 -> Um relato de aprendizagem com deficientes mentais leve e moderados
2014 -> A cleptomania segundo a psicologia
2014 -> A educaçÃo para o trânsito
2014 -> O "EU" e o mundo: uma perspectiva infantil
2014 -> Psicopatia ¹Anelize Kelly Pereira ¹Esthefani Oliveira da Silva ¹Fernanda de Chaves Pedrozo ²Leide da Conceição Sanches resumo
2014 -> Enjaulados (detetion/learning curve): o uso de filmes como recurso didático no ensino da análise do comportamento


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa