A implementaçÃo do programa bolsa familia no nível local: a experiência do município de divinópolis/MG


Pesquisar em saúde coletiva e saúde mental



Baixar 114,03 Kb.
Página5/11
Encontro08.03.2018
Tamanho114,03 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
Pesquisar em saúde coletiva e saúde mental
Desde a implantação do SUS há mais de 25 anos, o campo da saúde pública no Brasil tem vivido inúmeras transformações. Orientado por princípios e diretrizes tais como a universalidade, equidade, integralidade, descentralização, participação popular e a organização da rede de serviços de modo regionalizado e hierarquizado, o SUS, ao longo desse percurso de consolidação, vem alcançando grandes conquistas e enfrentando inúmeros problemas no que diz respeito à mudança das práticas de saúde e dos modos de organização e gestão dos serviços, problemas que desafiam gestores, trabalhadores, acadêmicos e a população de uma forma geral. Com base em autores do campo, Lima (2009) aponta outros aspectos de difícil enfrentamento: os limites da formação para abarcar as diversidades que compõem o SUS e “a pouca potência para transformar os modelos hegemônicos, muito mais vinculados a interesses outros – como os das corporações profissionais, da indústria de equipamentos médicos e farmacêuticos – do que às necessidades dos usuários” (p. 790).

Nessa direção, tem-se buscado propor novas questões que confrontem as formulações já estabelecidas e as tendências alinhadas ao ideário neoliberal, revigorando a dimensão reflexiva, crítica e propositiva do projeto político e social da Reforma Sanitária. Conh (2009), preocupada com o enfraquecimento dessa dimensão nos últimos anos, alerta para o fato de estarmos sendo aplacados pela dimensão eminentemente técnica de gerência dos serviços e deixando de lado a dimensão política, social e civil de conquista da democracia, de fortalecimento coletivo e de pensar a saúde como questão social.

Outros questionamentos estão atualmente sendo agregados por parte de um coletivo que compreende que “O SUS, como aposta ético-política, é um instrumento de luta, no campo da saúde, em relação às formas de autoritarismo e às práticas de captura da vida no capitalismo contemporâneo” (Pasche, Passos & Barros, 2009, p. 491). Trata-se da Política Nacional de Humanização/PNH, que de forma transversalizada, visa ao desenvolvimento da corresponsabilidade e qualificação dos vínculos interprofissionais e destes com os usuários na produção de saúde. Um dos aspectos mais destacados na PNH é que para operar tais transformações nos modos de cuidar e gerir, o SUS demanda mutações subjetivas e outros modos de ser trabalhador. Além disso, pede uma formação contextualizada, um conhecimento interdisciplinar e a produção de práticas multiprofissionais voltadas às necessidades da população usuária. Requer ainda a necessidade de estarmos alertas aos especialismos, às naturalizações e dicotomias entre formação e atuação e um esforço permanente de ruptura com a lógica que persegue verdades inquestionáveis, modelos padronizados e estereotipados.

Dessa maneira, algumas formulações têm buscado recolocar os problemas no âmbito do SUS, qualificando-os em uma complexa teia de determinação que envolve elementos macro e micropolíticos, na perspectiva de pensar saúde como produção de subjetividade. Há um compromisso de afastar-se de uma racionalidade científica, de uma visão tecnocrática de integralidade predominante na saúde centrada na mera articulação entre os serviços e os diferentes níveis de atenção e voltar-se para uma dimensão mais ampliada que incorpora a complexidade subjetiva dos atores envolvidos. Além disso, de resistir aos modelos de atenção reducionistas, centrados na doença e em políticas públicas articuladas por programas que a priori excluem a complexidade da saúde, das relações sociais e a pluralidade dialógica do campo.

A proposta de reordenação dessa lógica de trabalho e de organização da assistência em saúde é a que também orienta os processos de transformação da assistência psiquiátrica em curso no País. O campo da saúde mental e o processo de reforma psiquiátrica têm sido focos de nossas investigações e militância nos últimos anos. Nossas pesquisas estão ancoradas na base teórico-metodológica já explicitada, buscando não só dar visibilidade a um conjunto de forças que buscam reduzir a experiência da loucura a uma patologia ou doença mental, analisando discursos, práticas e instituições que operam no sentido do seu controle, tutela, normatização e medicalização, mas também fomentando a invenção de novos saberes e dispositivos em direção à desinstitucionalização da cultura manicomial, que vai muito além do âmbito restrito de serviços e práticas profissionais e diz respeito aos modos de vida tecidos no cotidiano. Desse modo, as lutas que travamos como coletivo de trabalho ocorrem em diferentes planos, na concretude do presente, na materialidade dos discursos e práticas que forjam verdades amplamente divulgadas e consumidas e que atualmente estão cada vez mais interessados na chamada “normalidade”.

Portanto, produzir saúde mental e saúde coletiva exige mudanças nos processos de subjetivação, pois os princípios do SUS só se encarnam na experiência concreta de sujeitos concretos que se transformam em sintonia com a transformação das próprias práticas de saúde e dos seus modos de existir. Consequentemente, exige, do ponto de vista acadêmico, formas diferenciadas de pesquisar e produzir interferência no modo cotidiano de fazer saúde nos mais diferentes contextos. É sobre esse território específico de pesquisa e intervenção que trataremos a seguir.



Catálogo: portal2-repositorio -> File -> revistalapip
revistalapip -> Resenha do livro: “Penser comme um rat”
revistalapip -> A implementaçÃo do programa bolsa familia no nível local: a experiência do município de divinópolis/MG
revistalapip -> Práticas em psicologia comunitária e processos de mobilização social: provocações para um debate Practices in community social psychology and social mobilization processes
revistalapip -> Artigo sobre metodologia transdisciplnar
revistalapip -> Práticas psicossociais em Psicologia: um convite para o trabalho em rede
revistalapip -> São João del-Rei, 24 de outubro de 2013
revistalapip -> Produção de subjetividade e exercício de cidadania: efeitos da prática em psicologia Comunitária
revistalapip -> Construção de Diálogos: uma Experiência de Abordagem em Psicologia Social em Projeto Cultural
revistalapip -> Abandono e institucionalizaçÃo de crianças abandono e invisibilidade das crianças institucionalizadas


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
terapia intensiva
Conselho nacional
Curriculum vitae
oficial prefeitura
ensino médio
minas gerais
Boletim oficial
Concurso público
educaçÃo infantil
Universidade estadual
seletivo simplificado
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
assistência social
ciências humanas
Atividade estruturada
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
Dispõe sobre
outras providências
recursos humanos
secretaria municipal
Conselho municipal
psicologia programa
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
Relatório técnico
Corte interamericana
público federal
ministério público