A ciência como vocação



Baixar 81.72 Kb.
Página5/6
Encontro05.12.2019
Tamanho81.72 Kb.
1   2   3   4   5   6
A primeira tensão é encontrada em seu individualismo metodológico. O individualismo metodológico de Weber é, de fato, um nominalismo ontológico, que está obliquamente ligado ao seu nominalismo ético. O principal dogma do individualismo metodológico é de natureza reducionista: a sociedade não existe - apenas os indivíduos são reais. As chamadas "estruturas sociais" podem e devem ser reduzidas às ações individuais, das quais são o resultado agregado. Só assim se pode evitar a armadilha substancialista da "falácia da concretude equivocada" [‘fallacy of misplaced concreteness’] (Whitehead), que consiste em atribuir existência e eficácia causal a entidades sociais tão abstratas como "o Estado", "a Igreja", etc.62

Esse individualismo "eliminativo" redutor pode ser indiretamente ligado à visão desencantada de Weber do mundo. Tomando emprestada a fórmula provocatória de Torrance, poderíamos dizer que o individualismo metodológico de Weber representa uma versão altamente sublimada do "existencialismo metodológico".63 De fato, na ordem pós-cosmológica, os valores objetivos tornaram-se subjetivos. E já que o significado não está mais inscrito nas estruturas objetivas do universo desencantado, o indivíduo está de fato "suspenso em teias de significado que ele próprio confeccionou".64 No final das contas, a única coisa que podemos entender é a escolha demoníaca pela qual o indivíduo dá sentido às suas ações e à sua vida como um todo: “O fruto da árvore do conhecimento, quer é desagradável para nossa comodidade humana, mas irresistível, não seria outra coisa senão saber que cada ação individual importante e, em última análise, a vida em sua totalidade, caso não queiramos que ela decorra como fenômeno natural, mas que seja realizada de modo perfeitamente consciente, consistiria em uma cadeia de decisões últimas pelas quais a alma escolheria, como em Platão, seu próprio destino - isto é, o sentido de seu agir e de seu ser”.65 Essa referência ao Fedro de Platão mascara uma referência a Nietzsche e seu viril ideal de personalidade. O imperativo nietzschiano de escolher livremente "o demônio que mantém os fios de sua vida" ainda é vagamente expresso nas máximas reducionistas do individualismo metodológico de Weber.



Em sua pesquisa substantiva, no entanto, e especialmente em sua sociologia da dominação, Weber se desviou seriamente de seu existencialismo metodológico, e, de tal forma, que muitas vezes deparamo-nos com análises deterministas que Marx, e talvez até mesmo Althusser, poderiam ter subscrito. Os indivíduos não aparecem mais como livres: suas escolhas parecem ser praticamente predeterminadas por restrições estruturais de natureza material. Assim, o individualismo ontológico dá lugar a algum tipo de estruturalismo, e Weber acaba adotando a posição realista que ele havia rejeitado em suas disposições mais epistemológicas.

A segunda tensão está ligada à primeira e surge em sua sociologia interpretativa. A sociologia interpretativa tem como objetivo recapturar o significado subjetivamente pretendido que o indivíduo atuante atribui ao seu próprio comportamento - seja ele evidente ou oculto, omisso ou aquiescente. Como qualquer outra pessoa, além, é claro, do próprio sujeito, o sociólogo não tem acesso direto à mente dos outros. E já que o sociólogo não pode compreender imediatamente o significado subjetivo que o indivíduo atribui às suas ações, é necessário construir um tipo ideal de significados ou motivações hipotéticas que explicariam o curso de ação observado. Até aqui tudo bem, mas o problema surge quando Weber subsequentemente tende a reduzir essa compreensão de motivos à compreensão da ação racional em relação aos fins [zweckrationales Handeln], movendo-se assim de um individualismo metodológico hermeneuticamente sensível para um puramente utilitarista, o qual atualmente é defendido e promovido pelo movimento mundial dos teóricos da escolha racional. A grande crítica de Talcott Parsons ao utilitarismo em sua Estrutura da ação social (Parsons, 1937) em defesa de uma teoria multidimensional da ação permanece insuperável, e é mais do que útil para nos lembrar que, nesse caso, não há mais necessidade real de recapturar os significados que o indivíduo atrela subjetivamente à sua ação.66 Se os fins e os valores são dados, basta conhecer as condições de ação e interpolar um algoritmo para determinar os meios. Como um juiz em Weber, o ator é reduzido a uma máquina na qual é preciso inserir as condições e os cálculos no topo, de modo que o curso resultante de ações propositadamente racionais possa ser expelida na parte inferior. A ação se torna perfeitamente racional e previsível; os significados tornam-se largamente supérfluos e retóricos, servindo meramente como um suplemento espiritual para um mundo sem alma.



Baixar 81.72 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa