A anamnese deve seguir o modelo adotado na instituição



Baixar 13,03 Kb.
Encontro01.06.2019
Tamanho13,03 Kb.



Anamnese: alguns comentários
A anamnese deve seguir o modelo adotado na instituição. Ele deve ser visto como um roteiro, uma referência e deve ganhar uma particularidade dependendo do paciente e do contexto em que ele é atendido. Não se deve procurar responder necessariamente (e a qualquer custo) a todos os itens do roteiro num primeiro momento.
É interessante registrar as palavras iniciais dos pacientes quando descrevem o motivo que os trouxe ao hospital ou a uma determinada consulta. Sugiro que ao paciente seja permitido falar livremente por algum tempo sem interrupção. Poucos minutos podem ser suficientes para que ele delineie suas idéias. Três exemplos: 1) No consultório (psiquiátrico) numa primeira consulta um paciente me disse: “Dependo de um Diazepam de 5 mg no café da manhã há 40 anos”. 2) Um outro: “Tenho uma coceira insuportável de fundo emocional”. 3) Outro: “Dr. Fulano achou que eu deveria vir aqui conversar com o Sr. mas eu não vejo a menor necessidade, meu problema é que eu tenho colite”.
Na identificação procurar indagar sobre o grau de instrução, estando atento para se o paciente sabe ler. Um número expressivo de nossos clientes tem grande dificuldade de compreender o que lhes dizemos e o que lhes recomendamos por escrito (e em muitos nossa letra não ajuda nada!) Outro ponto que deve merecer atenção é a situação profissional. O paciente trabalha, está de licença, aposentado, desempregado e há quanto tempo? Como é composta a renda familiar?
Com relação a filhos, irmãos e pais indagar a idade e como se vincula a eles. Procure saber se ele mantém contato regular com eles e se pode contar com seu apoio (ou é fonte de apoio) em momentos de dificuldade. O apoio familiar é muito importante para todos os indivíduos, e crucial para os mais velhos e aqueles com doenças mais graves. Caso não conte com apoio da família o paciente dispõe de outros suportes na comunidade?
Na HDA é importante registrar as circunstâncias em que se deu a internação e quando ela ocorreu ( um mês, quinze dias, quatro dias antes da entrevista?).
*** Procure sempre investigar as concepções que o paciente tem sobre sua doença e seu tratamento. Essas informações são muito importantes para que você possa compreender a atitude e o comportamento do paciente que favorecem ou dificultam sua cooperação e adesão as nossas orientações. Na medida em que ele nos revela o que pensa sobre seus problemas clínicos, podemos e devemos expor nossas idéias sobre sua doença e a terapêutica que lhe está sendo proposta. É muito difícil um paciente revelar claramente o que pensa e o que faz em relação a seu tratamento para o médico ou o estudante de Medicina. Uma grande proporção dos nossos clientes não segue integramente o que lhes propomos seja por não concordarem, por não compreenderem, por não disporem de recursos financeiros, por não disporem de tempo, de disposição, de equilíbrio emocional entre outros fatores. Só uma boa relação com nossos pacientes vai nos permitir ter conhecimento desses fatores o que vai contribuir para o sucesso do tratamento.

.

***Em toda avaliação de um paciente é imprescindível estar atento a como ele está emocionalmente. Está ansioso, tenso, assustado, desconfiado, desanimado, apático, calmo, alegre, eufórico, indiferente, confiante, irritável, cooperativo? Esse registro é relevante porque entre outras coisas ele pode variar dentro de uma mesma internação ou através do tempo, e é importante acompanhar o que se passa com o paciente e em sua vida. É evidente que não basta constatar que o paciente está calmo ou ansioso, mas compreender porque, e para isso alguma atenção deve ser dispensada a esse tópico. Devemos procurar aos poucos nos inteirarmos de como ele vem vivendo sua vida, qual o padrão de seu comportamento, como tende a se relacionar com as pessoas e como ele costuma reagir perante os problemas que enfrenta. Mudanças de comportamento devem ser registradas e compreendidas. Podemos estar diante de pacientes com problemas familiares, com conflitos na relação com membros da equipe de saúde, apresentando reações emocionais à doença ou ao tratamento, com quadros mentais secundários a doença clínica (por exemplo, o Delirium ou mesmo alguns quadros depressivos), efeitos adversos mentais dos medicamentos ou com transtornos mentais mais ou menos graves (que aos poucos vocês estão conhecendo). Quando cursarem a Psiquiatria vocês aprenderão a fazer um exame psíquico mais específico, porém a história da pessoa é sempre indispensável.


*** É muito importante estarmos atentos para o que sentimos quando atendemos alguém, a rigor em qualquer encontro humano as emoções são um componente essencial e determinante do rumo que as relações tomam. Os sentimentos podem variar muito de um paciente para outro, durante o mesmo atendimento ou no curso de um acompanhamento. Observem e reflitam sobre seus sentimentos buscando compreender ao que podem estar associados. Estejam atentos ao que chamamos de linguagem não-verbal, ao que o paciente e nós mesmos transmitimos pelas nossas expressões faciais, tom e ritmo da fala, postura e gestos. De certa forma esse tipo de comunicação é tão importante quanto o que é expressado pelas palavras. Uma pessoa pode nos dizer que está bem (ou compreendendo tudo que lhe está sendo dito) e transmitir exatamente o oposto pela sua expressão facial e corporal, e isso deve ser considerado.
Acompanhantes

O papel dos acompanhantes no tratamento de nossos pacientes é muito variável. Alguns ajudam muito e outros criam muitas dificuldades. Certos pacientes dependem demais de seus acompanhantes devido a seu estado. Muitas vezes os acompanhantes são imprescindíveis para a obtenção de uma boa anamnese. Em outros casos criam uma grande barreira entre o paciente e nós, resistindo a aceitar que tenhamos contato direto e privado com o paciente. Em outras situações eles têm que ser alvo de uma atenção especial devido a seu desgaste físico e/ou emocional. Precisamos em algumas circunstâncias convocá-los ativamente para tentar uma reaproximação entre os pais e os filhos, entre um casal, entre irmãos etc. já que a situação requer que eles estejam mais presentes na vida de nossos pacientes.


Disciplina de Psicologia Médica

Prof. Maurício Tostes


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa