13ª Mostra da Produção Universitária



Baixar 14,36 Kb.
Encontro23.05.2018
Tamanho14,36 Kb.

13ª Mostra da Produção Universitária

.

Rio Grande/RS, Brasil, 14 a 17 de outubro de 2014.


GRUPO DE PAIS DE AUTISTAS: O FILHO REAL

GOMES, Jéssica Rodrigues (PEREIRA, Maria Paula Soares)

SILVA, Marta Solange Streicher Janelli

je.rodrigues@hotmail.com
Evento: Seminário de Extensão

Área do conhecimento: 6- Saúde
Palavras-chave: autismo; família; suporte emocional

1 INTRODUÇÃO

O autismo é um transtorno que está ganhando visibilidade na sociedade atual, uma vez que necessita realmente de um olhar específico e um trabalho adequado. Não só a criança autista precisa de suporte, mas também sua família, que certamente sofre e se desgasta ao longo dos cuidados prestados e desenvolvimento da criança.

O presente resumo tem como objetivo, portanto, descrever a importância do trabalho realizado com grupos de pais e cuidadores de crianças autistas do Centro de Atendimento ao Autista Dr. Danilo Rolim de Moura da cidade de Pelotas-RS. O centro está em funcionamento desde abril de 2014, e desenvolve atividades que abarcam cerca de 130 crianças autistas.
2 REFERENCIAL TEÓRICO

Sabe-se que o autismo é caracterizado por comprometimentos severos e invasivos no comportamento da criança referentes às habilidades de interação social, comunicação e presença de ações e atividades estereotipadas, afetando, desse modo, o desenvolvimento global da mesma. (DSM IV, 2002 apud SCHIMIDT; BOSA, 2003). Segundo Schimidt ; Bosa (2007, p.3):

As características clínicas da síndrome afetam as condições físicas e mentais do indivíduo, aumentando a demanda por cuidados e, consequentemente, o nível de dependência de pais e/ou cuidadores. Essa situação pode constituir um estressor em potencial para familiares.

De acordo com Busgalia (1997 apud FIAMENGHI JR; MESSA,2007), a família é uma unidade social significativa para o ser humano,onde toda mudança ocorrida exerce influência tanto individualmente quanto na dinâmica coletiva. Assim, o diagnóstico de autismo afeta o grupo familiar, pois desfragmenta a idealização do filho esperado. Nesse sentido, Alvez (2012, p.1 ) aponta que :

É preciso vivenciar o processo de luto pelo filho que foi idealizado, para que seja possível estabelecer um vínculo de amor e cuidado com o filho que nasceu.


3 PROCEDIMENTO METODOLÓGICO   

O Grupo de pais de autistas do Centro de Autismo tem como nome principal “Filho Real”, os encontros acontecem todas as quintas feiras, das 13:30 às 17 horas. Atualmente são atendidos cerca de 45 familiares. Através da formação de grupos operativos se torna possível intervir e promover estratégias de enfrentamento às diversas questões encontradas pelos familiares e cuidadores no cotidiano da criança. A formação dos grupos constitui-se ao mesmo tempo em que os filhos destes estão sendo inseridos em diversas terapias do Centro. O tempo estimado por grupo corresponde ao atendimento do filho, de 50 a 60 minutos aproximadamente.

Neste projeto, a Psicóloga e professora, Marta Streicher Janelli, organiza os grupos e tem utilizado a análise de dados provenientes da Escala Comportamental do Cuidador (Caregiver Reaction Assessment) (PEREIRA; SOARES, 2011). A escala é constituída por 24 itens que avaliam as reações do cuidador de um paciente com uma doença física em cinco dimensões: autoestima do cuidador, falta de suporte familiar, impacto nas finanças, impacto nos horários, impacto na saúde do cuidador.
Para fins de avaliação da intervenção, realizamos semanalmente supervisão dialogada com os alunos do Curso de Psicologia da UFPel, colaboradores deste Projeto. A constituição dos laços de família e sua importância no acompanhamento do filho autista articulam-se com a emergência de entender sofrimentos psíquicos contemporâneos para fins de proporcionar uma melhor qualidade de vida aos familiares.

4 RESULTADOS e DISCUSSÃO

Com o grupo estima-se proporcionar aos pais um suporte emocional para enfrentarem as dificuldades frente às peculiaridades vivenciadas pelo transtorno, assim como auxiliar no processo de aceitação do diagnóstico.

O grupo direcionará os pais a uma troca significativa, onde acontecerá um aprendizado importante para suas vivências. Além disso, a continuidade do grupo mostra-se de grande relevância, uma vez que é um transtorno que afeta o desenvolvimento global, levando a uma necessidade de cuidados contínuos.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir do exposto, conclui-se que o grupo de pais de autistas é de suma importância para a comunidade, uma vez que proporciona um acolhimento às essas famílias no sentido de oferecer apoio emocional e orientações frente à situação.

Desse modo,a participação dos pais/cuidadores no grupo se fará necessária, sendo o grupo uma fonte inesgotável de produção de saber e recursos.
REFERÊNCIAS

ALVEZ, E.G.R. A morte do filho idealizado. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 36, n.1, p. 90-97,2012.


FIAMENGHI JR, G. A. ; MESSA, A. Pais , filhos e deficiência: estudo sobre as relações familiares. Psicologia Ciência e Profissão, São Paulo, v. 27, n.2, p. 236-245, 2007.
PEREIRA, M. G.; SOARES, A. J. Sobrecarga em cuidadores informais de dependentes de substâncias: adaptação do Caregiver Reaction Assessment (CRA). Psicologia, Saúde e Doenças, Lisboa , v.12, n.2, p.304-28, 2011.

SCHMDIT,C.; BOSA, C. A investigação do impacto do autismo na família:

Revisão crítica da literatura e proposta de um novo modelo. Interação em Psicologia, Porto Alegre, v. 7, n. 2 , p. 111-120, 2003.


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal