1 What Are the Arguments for Community-Based Mental Health Care?



Baixar 188,7 Kb.
Página1/23
Encontro10.08.2018
Tamanho188,7 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23

Thornicroft, G. & Tansella, M. Quais são os argumentos a favor da atenção comunitária à saúde mental?





Quais São os Argumentos a Favor da Atenção Comunitária à Saúde Mental?1
What Are the Arguments for Community-Based Mental Health Care?

Graham Thornicroft2


Michele Tansella3
Resumo
O assunto: Transtornos mentais são responsáveis por aproximadamente 12-15% da desabilidade mundial total – mais que as doenças cardiovasculares, e duas vezes mais que o câncer. Seu impacto na vida diária é ainda mais amplo, respondendo por mais de 30% de todos os anos vividos com desabilidade. Achados: Não há argumentos convincentes ou dados que apóiem uma abordagem unicamente hospitalar. Também não há evidência científica de que serviços comunitários isoladamente podem prover integralidade na atenção. Ao contrário, a opinião dos profissionais e os resultados dos estudos disponíveis apóiam a atenção equilibrada. A atenção equilibrada é essencialmente comunitária, mas os hospitais têm um importante papel de retaguarda. Isto quer dizer que serviços de saúde mental são oferecidos nos contextos comunitários habituais próximos à população atendida, e internações hospitalares são tão breves quanto possível, disponibilizadas prontamente e empregadas somente quando necessário. É importante coordenar os esforços de uma diversidade de serviços de saúde mental, sejam estes governamentais, não-governamentais ou privados, e garantir que as interfaces entre eles funcionem de modo apropriado. Estudos de custo-efetividade em desinstitucionalização e de equipes comunitárias de atenção à saúde mental têm demonstrado que a qualidade da atenção tem relação direta com o orçamento disponível. Serviços comunitários de saúde mental geralmente custam o mesmo que os serviços hospitalares os quais substituem. Considerações às políticas públicas: As prioridades e as metas das políticas públicas para um país em particular dependem em larga escala dos recursos financeiros disponíveis. Países com poucos recursos devem focalizar na implementação e melhoria dos serviços de saúde mental no contexto da atenção primária, utilizando serviços de especialistas como retaguarda. Países com recursos medianos devem buscar, além disso, a oferta de componentes afins tais como ambulatórios, equipes comunitárias de atenção em saúde mental, atenção a pacientes no episódio agudo, atenção residencial comunitária prolongada e reabilitação profissional. Além de tais medidas, países com muitos recursos devem prover formas mais diferenciadas de atenção tais como ambulatórios especializados e equipes comunitárias de atenção em saúde mental, tratamento assertivo comunitário, e alternativas para a atenção a pacientes no episódio agudo, atenção residencial comunitária prolongada e reabilitação profissional.


: portal2-repositorio -> File -> revistalapip -> volume3 n1 -> doc
doc -> Reflexões Históricas sobre as Culturas da Psicologia12
doc -> Minha experiência no Trabalho com Grupos
doc -> “Play it again, Sam
doc -> O conceito de Família na Teoria Psicanalítica: Uma Breve Revisão The Concept of Family in the Psychoanalytical Theory: a brief Review
doc -> A relacão das famílias no tratamento dos portadores de transtorno mental realizado no centro de atenção psicossocial
doc -> Pessoas com Deficiência e Dança: Uma Revisão de Literatura Disabled People and Dance: a literature Review
doc -> Faces da violência Sexual contra Crianças e Adolescentes
doc -> Universidade e Diversidade sob o Olhar da Representação Discente Universidad y Diversidad en la Percepción de la Representación Estudantil


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal